NOTÍCIAS
28/07/2017 | 20h23

Indústria

Com novo Polo, Volkswagen amplia uso da MQB no Brasil

Plataforma modular traz evolução tecnológica à planta de São Bernardo


REDAÇÃO AB

Plataforma MQB preparada para receber a carroceria do novo Polo em São Bernardo do Campo
A chegada do novo Volkswagen Polo ao mercado brasileiro, prevista para novembro próximo, amplia o uso da plataforma modular do Grupo VW MQB no País e traz evolução tecnológica à antiga fábrica Anchieta, a primeira da empresa fora da Alemanha, inaugurada no fim dos anos 50 em São Bernardo do Campo (SP). Apresentada em 2012, a MQB (sigla em alemão para Matriz Modular Transversal) hoje é utilizada por mais de 20 modelos de quatro marcas do grupo: Audi, Skoda, Seat e a própria VW. No Brasil, o Polo será o terceiro a usar a base, já aplicada no Golf 7 e Audi A3 Sedan produzidos em São José dos Pinhais (PR).

Na planta Anchieta, além do novo Polo, também já está certa a construção sobre a plataforma MQB compacta do sedã derivado Virtus, a ser lançado no início de 2018. Com a nova base modular, é possível produzir carros mais modernos, com inclusão de powertrain mais eficiente e diversos sistemas eletrônicos para aumentar segurança, conforto e conectividade a bordo. Esta semana a Volkswagen revelou que boa parte desses sistemas já utilizados na Europa também chegarão ao Brasil embarcados no Polo.

O novo hatch deverá usar dois motores, 1.0 de três cilindros e 1.4 de quatro, ambos turbinados e com injeção direta de combustível, que poderão ser acoplados a câmbio manual ou automático de seis marchas. É, portanto, a mesma motorização do Golf – por isso e por causa das dimensões parecidas muitos já chamam o novo Polo e “pequeno Golf”.



Usando o motor 1.0 TSI tricilíndrico de 128 cavalos, o novo Polo vai inaugurar a sigla “200 TSI” colada na tampa traseira, para destacar o torque de 200 Nm do propulsor, o maior do segmento disponível no País.

MAIS SEGURANÇA E CONFORTO

Com a plataforma modular MQB, a Volkswagen informa que vários sistemas de assistência e infoentretenimento passarão a ser oferecidos, em linha com o modelo a ser lançado na Europa em setembro. Entre eles a montadora destaca o sistema de frenagem automática pós-colisão, que aciona os freios quando o veículo se envolve em uma batida detectada pelos sensores dos airbags, para reduzir a energia cinética residual e mitigar danos.



Outro destaque será o painel de instrumentos totalmente digital, em uma tela TFT de 10,25 polegadas: o novo Polo é o primeiro Volkswagen a trazer a segunda geração do Active Info Display, em que o cluster é configurável, podendo mostrar o mapa de navegação em 2D ou 3D, além de velocímetro, conta-giros e diversas outras informações do veículo. A montadora não informou, contudo, se o painel digital será de série em todas as versões do Polo ou apenas nas mais caras, como costuma acontecer por aqui. Alguns modelos Audi já estrearam o mesmo sistema no País.

No centro do painel o Polo poderá ter outra tela de 8 polegadas, sensível ao toque e com aparência de smartphone, que integra os comandos e informações do sistema multimídia de infoentretenimento Discover Media, com duas entradas USB com capacidade de 2 amperes. O sistema também entende comandos de voz, pode ser operado por meio dos botões do volante multifuncional e “conversa” com smartphones por meio de aplicativo próprio da VW, o App-Connect, já conhecido do novo Up! e outros modelos da marca.

Entre os recursos de segurança também está o detector de fadiga, que analisa a forma como o motorista dirige e compara com os 15 primeiros minutos de direção. Caso detecte desvio no comportamento ao volante, o equipamento emite um alerta, sugerindo uma parada para descansar e tomar um café.

O chassi sobre a MQB usa direção com assistência elétrica, que além de garantir mais conforto e precisão, demanda menos energia do motor em comparação com a assistência hidráulica, o que representa redução no consumo de combustível de até 3%.

O sistema de freios ABS integra também controle de tração e outros recursos de segurança, como o EBD (distribuição eletrônica das forças de frenagem) e ESS (Emergency Stop Signal ou Sinal de Frenagem de Emergência). A Volkswagen também oferecerá o Polo com Controle eletrônico de estabilidade (ESC), assistência de partida em rampa (HHC) que em aclives acima de 5% mantém o veículo freado por até 2 segundos após o motorista aliviar o pedal do freio, assistência de frenagem de emergência (HBA) que aumenta a pressão aplicada no pedal, bloqueio eletrônico do diferencial (EDS) que em situação de baixa tração em uma das rodas motrizes aciona o freio da roda com menor tração para transferir o torque para a com maior tração, proporcionando assim melhor eficiência à saída do veículo.

O novo Polo ainda terá sistema de limpeza automática dos discos de freio e será calçado com pneus verdes, de baixa resistência ao rolamento, além de monitoramento da pressão, que ajuda a reduzir o consumo de combustível.

ESTRATÉGIA MQB DE PRODUÇÃO

A plataforma MQB é, antes de tudo, uma estratégia de produção modular utilizada pelo Grupo VW para ampliar a flexibilidade de suas linhas de montagem e reduzir custos de desenvolvimento. Entre os principais objetivos está a padronização do processo de manufatura, estabelecendo uma mesma sequência de montagem para diversos modelos, reduzindo o tempo de produção dos veículos.

A MQB permite ainda a padronização e comunização de peças e sistemas dos veículos produzidos sobre a plataforma modular. Dessa forma, ela expande inovações para um maior número de modelos, com o intercâmbio de tecnologias entre todas as classes de automóveis, ao mesmo tempo em que reduz a complexidade da produção, gerando economia de escala.

A MQB tem como base quatro principais módulos padronizados: elétrico/eletrônico; powertrain; chassi e carroceria; ar-condicionado, bancos e airbags. A plataforma usa algumas dimensões fixas – por exemplo, a distância entre os pedais do veículo (acelerador, freio) e o centro da roda dianteira –, mas também oferece parâmetros variáveis para poder ser utilizada por diversos modelos, entre eles a distância entre eixos e as bitolas e os tamanhos das rodas.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 16/08/2017
Mercado deve melhorar no segundo semestre, até por novas ações de varejo

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
DE CARRO POR AÍ | 18/08/2017
Empresa monta novos planos para mercados emergentes
AUTOINFORME | 17/08/2017
Gastos com veículo vão muito além da prestação
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
Negócios | 08/03/2017
Tecnologia faz parte da receita para sair da crise
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes