NOTÍCIAS
05/05/2017 | 18h00

Powertrain

Ford importará da Índia seu 1º motor 1.5 3C

Produção do novo três-cilindros em Taubaté deve começar só em 2018


PEDRO KUTNEY, AB

O novo motor Ford 1.5 TiVTC de três cilindros: maior potência do mercado
A Ford confirmou que seu novo motor para mercados subdesenvolvidos, o primeiro 1.5 três-cilindros do mundo, fará sua estreia global no Brasil em versão bicombustível flex. Ainda sem confirmação oficial, sabe-se que será a bordo de uma das versões do novo EcoSport, previsto para chegar às concessionárias no começo do segundo semestre. Inicialmente, contudo, o 1.5 3C TiVCT virá importado da Índia, onde foi centralizado seu desenvolvimento, que contou com a participação de várias equipes de engenharia da Ford, incluindo a brasileira – neste caso especialmente no projeto do flex. Segundo informações obtidas por Automotive Business, somente no início de 2018 o propulsor entra em produção nacional, na fábrica de Taubaté (SP).

“O time que liderou o desenvolvimento é o da Índia, onde o motor será produzido primeiro, mas houve participação ativa de muitos lugares do mundo”, confirmou Rogelio Golfarb, vice-presidente da Ford América do Sul. “Mas ele será feito em diversos países e no Brasil também, estamos fazendo um grande investimento para isso. Além de desenvolver o produto, é necessário desenvolver a capacidade de manufatura. No caso deste motor a fabricação exige alta precisão, pois suas engrenagens têm limites de tolerância muito estreitos, parecidos com um relógio”, destaca o executivo.

O motor que faz sua estreia global no Brasil nos próximos meses foi apresentado em evento na sexta-feira, 5. Segundo a Ford, ele agrega um conjunto de tecnologias que o torna o 1.5 aspirado mais potente e de maior torque do mercado, com 137,2 cavalos e 158,5 Nm quando abastecido com etanol, tem a maior potência por litro (91,5 cv) já conhecida, mas também é um dos mais eficientes, com ganho de 5% no consumo na comparação com o 1.5 Sigma de quatro cilindros produzido em Taubaté, que atualmente equipa o Ka nacional.

VERSÃO ECOBOOST SÓ PARA QUEM PODE

O 1.5 3C TiVCT deve ganhar em breve a terminologia EcoBoost, com a adição de injeção direta de combustível e turbocompressor, que deverá fazer saltar sua potência, desempenho e eficiência. E por que não no Brasil? “O motor já está preparado para ser um novo EcoBoost, mas é uma característica da Ford só introduzir tecnologias que possam ser absorvidas pela maioria dos consumidores de cada mercado. No caso deste motor, conseguimos atingir os objetivos de redução de emissões e aumento de eficiência energética para o mercado brasileiro sem necessidade de usar turbo ou injeção direta, que deixariam o produto mais caro”, explica Enio Gomes, diretor de powertrain da Ford América do Sul.

Basicamente, isso quer dizer que o 1.5 3C ViVCT aspirado com injeção indireta será introduzido em mercados mais pobres e subdesenvolvidos como Brasil, Rússia e Índia, enquanto sua versão turbinada deverá equipar em maior escala modelos Ford principalmente em países europeus e na América do Norte. Mas eventualmente poderão ser importadas algumas unidades do 1.5 EcoBoost para versões de nicho, como a Ford já faz com o Fiesta 1.0 EcoBoost lançado ano passado no Brasil.

A Ford garante que, mesmo depois de começar a fabricar o 1.5 3C em Taubaté, continuará a fazer lá e oferecer em seus carros nacionais os dois motores da linha Sigma 1.5 e 1.6. É difícil de acreditar nisso tendo em vista que o novo motor bate em ambos em tecnologia, consumo e potência, com a adoção de tecnologias mais sofisticadas. Parece mais racional que o novo EcoSport será vendido em versões 1.5 3C e com o motor 2.0 Duratec importado do México, já oferecido atualmente.

TECNOLOGIAS

O novo três-cilindros combina uma série de tecnologias que reduzem atrito e aumentam sua eficiência energética sem perda de performance – muito pelo contrário, houve redução de consumo com ganho de 4,5% na potência na comparação com um motor maior, o 1.6 Sigma de quatro cilindros, também fabricado pela Ford em Taubaté. O simples fato de ter apenas três cilindros já torna o motor menor, mais leve e com menos peças que geram atrito entre si e consomem energia com isso.

“Antes, ganhar em economia significava sacrificar o desempenho. Isso não acontece mais com as soluções que usamos no 1.5 TiVCT, que é o primeiro motor aspirado a combinar algumas tecnologias juntas para ser econômico sem ser fraco”, diz Volker Heumann, engenheiro-chefe de powertrain da Ford América do Sul.

Heumann destaca que o torque do 1.5 3C já é 12% maior do que o 1.6 Sigma a 1.500 rpm, quando 85% da força já está disponível no três-cilindros, porcentual que chega a 95% a 3.500 rpm, rotação que corresponde a 95% da rotina de uso do motor. “Por isso ele é econômico e preserva o prazer de dirigir”, diz.

A tendência de desenvolvimento de motores pequenos com boa potência começou a ser usada pela Ford no Brasil desde o lançamento, em 1999, da linha Rocam 1.0 e 1.6, que evoluiu para os motores Sigma de alumínio a partir de 2009 e, depois, para o primeiro três-cilindros da marca, o 1.0 3C TiVCT com bloco de ferro, fabricado em Camaçari e lançado a bordo do Ka em 2014 como o motor 1-litro mais potente do mercado (85,3 cv).

Os engenheiros da Ford destacam que o 1.5 tricilíndrico desenvolvido agora, embora use soluções já adotadas por seus antecessores, é completamente novo, com novas peças. Uma das tecnologias compartilhadas entre o 1.0 3C e o novo 1.5 3C está na sigla TiVCT que ambos usam, que em inglês quer dizer duplo comando variável de válvulas, que ajusta o tempo de abertura para entrada da mistura ar/combustível nos cilindros e de saída dos gases de escape de acordo com as exigências de desempenho, para melhorar a eficiência da combustão e reduzir consumo.

Outra tecnologia compartilhada – e uma das 275 patentes do novo motor – é a correia de sincronismo banhada em óleo, que eleva a durabilidade do componente para 275 mil quilômetros, diminui o atrito e reduz ruído. Assim como o 1.0 3C, o 1.5 tricilíndrico tem o coletor de escape integrado ao cabeçote de alumínio, o que deixa o motor menor e garante aquecimento mais rápido, aumentando a eficiência e vida útil do catalisador, além melhorar a eficiência da queima de combustível.

As diferenças começam com o bloco de alumínio, mais leve que o ferro-grafite usado no 1.0 3C. Entre outras tecnologias que reduzem consumo e garantem bom desempenho com níveis baixos de ruído e vibração, o 1.5 3C usa bomba de óleo variável de duplo estágio (que já garante economia de 0,5% em relação à bomba convencional), bobinas individuais de ignição com múltiplo centelhamento, mancal hidrodinâmico que em combinação com o virabrequim levemente deslocado do centro balanceia o desequilíbrio natural do número ímpar de cilindros, além de sistema de partida a frio com pré-aquecimento dos injetores (dispensa o tanquinho de gasolina).

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 16/08/2017
Mercado deve melhorar no segundo semestre, até por novas ações de varejo

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
DE CARRO POR AÍ | 18/08/2017
Empresa monta novos planos para mercados emergentes
AUTOINFORME | 17/08/2017
Gastos com veículo vão muito além da prestação
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
Negócios | 08/03/2017
Tecnologia faz parte da receita para sair da crise
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes