NOTÍCIAS
19/04/2017 | 17h55

Comerciais

Indústria de implementos aposta em sinais de retomada

Fabricantes mantêm projeção de crescimento de 10% para 2017


SUELI REIS, AB

Embora tenha registrado queda de 27% nas vendas de implementos rodoviários no primeiro trimestre na comparação com mesmo período do ano passado (leia aqui), a tendência de retração com menor intensidade leva a Anfir, associação que reúne as fabricantes do setor, a manter sua perspectiva de crescimento para o ano, de 10% sobre 2016. Com base nesta projeção, a indústria prevê entregar entre 26 mil e 27 mil unidades neste ano contra as 23 mil em 2016.

Para o presidente da Anfir, Alcides Braga, alguns fatores já estão contribuindo para que o setor alcance o volume previsto, como a melhora dos negócios para alguns segmentos da economia, a maioria relacionado a commodities: agronegócio (grãos, cana), papel e celulose, mineração e óleo e gás. Com isso, o segmento pesado, de reboques e semirreboques, que atende esses setores, devem puxar muito mais o crescimento previsto do que os leves, composto por carrocerias sobre chassis e mais concentrado em centros urbanos.

Outra aposta da indústria de carretas é a concretização dos leilões para projetos de infraestrutura em rodovias, aeroportos, ferrovias e outros anunciados pelo governo que podem desencadear um novo movimento entre as empresas interessadas, inclusive atraindo grupos internacionais, principalmente após o episódio da deflagração da crise interna com grandes construtoras nacionais.

“É a visão do copo meio cheio; deve acontecer um turnover de novos consórcios e o surgimento de várias construtoras regionais. No médio prazo, nossa indústria vai respirar, tanto pelo desgaste dos próprios veículos/implementos quanto por esta mudança de perfil de cliente, que vai estar mais pulverizado, a fim de prevalecer esse modelo mais espalhado e menos concentrado de empresas numa mesma licitação.”

Braga deixa claro que o ponto de estabilidade e reversão da curva de queda das vendas do setor não será no curto prazo: “Acredito que 2020/2021 será a ‘nova era’ para a infraestrutura do País, impulsionada por grupos internacionais interessados nas licitações”, comenta, considerando que para as novas licitações as empresas deverão investir com capital próprio e não devem contar com subsídios do BNDES. “É a melhor notícia para nós do setor, essa mudança de padrão, que era um modelo mais concentrado; isso trará novos atores a serem contratados e mais diluídos entre os projetos.”

CRÉDITO DIFÍCIL

Por outro lado, o que ainda preocupa a indústria de implementos é a dificuldade de acesso ao crédito, principalmente por parte das empresas de médio e pequeno portes, que sofrem mais com a instabilidade nos fluxos de caixa. Para Braga, a mudança de indexador para as linhas do BNDES, com o fim da TJLP e introdução da TLP a partir de 2018, mais alinhada com os juros praticados pelo mercado, baseado na Selic, pode comprometer ainda mais a saúde financeira de empresas que contavam com o BNDES como principal banco de fomento, uma vez que a perspectiva do governo é reduzir o papel da instituição estatal nessa área.

“É por isso que ainda estamos pleiteando e insistindo em uma participação maior do banco nos financiamentos e negócios das empresas menores”, explica. Tradicionalmente, o BNDES financiava entre 80% a 90% do valor de caminhões e implementos, índice que passou para 60% nos últimos anos, pós-Finame PSI, linha de financiamento do BNDES que tinha juros reais negativos, abaixo da inflação.

Braga conta que, por causa da crise, a entidade perdeu 10% de seus associados, somando agora 136 empresas, enquanto o número de empregos caiu de 70 mil para 40 mil nos últimos anos, também após o fim do PSI.

Assista a entrevista exclusiva de Alcides Braga a ABTV


Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 24/05/2017
Nas grandes cidades adere-se rápido a novas tecnologias

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement
DE CARRO POR AÍ | 26/05/2017
Audi mostra no Brasil R8, RS6 Avant e RS7 Sportback
AUTOINFORME | 16/05/2017
Venda diária volta a recuar para baixo de 8 mil
QUALIDADE | 15/05/2017
Iniciativa tem potencial para melhorar a qualidade de vida da população
INOVAÇÃO | 24/04/2017
Ter empatia com consumidor é essencial para o sucesso
Negócios | 08/03/2017
Tecnologia faz parte da receita para sair da crise
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
DISTRIBUIÇÃO | 09/08/2016
Crise pode reduzir negócios no pós-venda ou ser oportunidade para manter clientes mais próximos
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes