ANÁLISE

Negócios

Brasil precisa avançar na manufatura 4.0


Tecnologia faz parte da receita para sair da crise


A prolongada crise na economia brasileira levou o mercado automotivo a um período de vacas magras inigualável na história do setor. Reduzir custos foi o primeiro remédio do qual as empresas lançaram mão. Com ociosidade em suas fábricas e concessionárias, não há como manter o quadro de colaboradores. O impacto da crise gerou demissões, layoffs, adesão ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE), reestruturação, juniorização da força de trabalho e encerramento das atividades.

Quem sai não se reemprega e aperta o cinto, quem fica se prepara para o pior e evita gastos. O cenário recessivo é uma espiral descendente que acaba no buraco negro da paralisia econômica. O número de desempregados no País chega a 12 milhões e, apesar da crise ter desacelerado, demissões ainda são o reflexo do momento que vivemos.

Nossas fábricas de veículos e de autopeças precisam de processos produtivos eficientes. Negociações sindicais nesse setor têm roteiro conhecido: repasse inflacionário, participação nos lucros e resultados e estabilidade. Como não há espaço para absorção desses custos, repassa-se os mesmos ao preço final do produto resultando em menor venda, menor lucro, menos postos de trabalho, menos dinheiro no bolso dos funcionários, que também adotam a cartilha de redução de custos e evitam consumir.

O Paraguai - quem diria - atrai empresas com legislação trabalhista mais moderna, com menos impostos, gerando postos de trabalho. Nosso vizinho nos força a encarar a realidade. Vivemos imersos num ambiente de negócios atrasado e burocratizado, sufocados na nossa incompetência coletiva para criar uma política trabalhista adequada ao momento que vivemos. Teremos que tomar o remédio para nos curar e retomar o nosso crescimento. Isso significa negociar o que nunca negociamos.

A manufatura 4.0, cada vez mais usada na indústria automobilística mundial, é necessária para a recuperação da nossa produtividade e para melhorar a capacidade de competir. Com isso, postos de trabalho de baixo valor agregado darão lugar a vagas para profissionais com conhecimento técnico. Sindicatos terão de ajudar na preparação de seus membros para essa realidade, recrutando profissionais com esse perfil, que entendam a nova tecnologia empregada nas fábricas e possam repassar este conhecimento.

O futuro demanda mais educação, mais produtividade. Às empresas, cabe investir em inovação, na criação de produtos que poluam menos, consumam pouco e custem mais barato. O governo deverá regular os mercados, investir em infraestrutura, fazendo mais com menos, com total transparência àqueles que financiam o estado, abraçando a bandeira da produtividade também em seus processos.

Precisamos sair da letargia gerada por essa crise sem precedentes. É preciso reacender a esperança de dias melhores que se avizinham. Devemos todos, empresas e sindicatos, buscar para nossas organizações profissionais preparados, educados, experientes, dispostos a desenhar uma nova realidade onde a inovação e a produtividade andarão de mãos dadas com formas sustentáveis de planejar, empregar, produzir, vender e consumir.

Comentários: 4
 

Daniel Camillo
10/03/2017 | 06h10
Olá Ivan, É dificil falar de Industria 4.0 quando ainda nao temos consolidado em nosso pais os passos 2.0 (Producao em série) e 3.0 (Automacao).

Silvio Illi
13/03/2017 | 07h24
Excelente reflexão Ivan. Acredito que o grande dilema e como passar das palavras e pensamento para ação. Mudar nossa atitude "sufocada pela incompetência" para uma atitude vencedora que faca acontecer e mude a realidade. Pouco ou nada podemos esperar do governo, os lideres (empresariais sindicais) devem estar na frente da mudança.

Fred Salomao
21/03/2017 | 13h45
Boa reflexão Ivan! Não há como voltar atrás e realmente precisaremos trabalhar mais que outras nações para recuperarmos o tempo perdido e avançar na Indústria 4.0.

wellington
04/04/2017 | 23h20
Me permita discordar. O texto começa com um título e caminha para diversos assuntos. Não digo que a automação, comunicação interprocessos e equipamentos não seja necessária, não é isso, mas isso é ainda muito pouco significante para nós. Não é isso que nos trará diferencial. Trabalho a 25 anos, sou professor e consultor na área. Vamos empolgados na tendência mercadológica e esquecemos do básico. O Brasil tem uma ineficiência por um conjunto de fatores, e por falta da simplicidade dos processos. Criamos uma complexidade de tributos, leis e tudo mais. Falta nos estrutura básica, estradas, políticas voltadas ao empreendorismo, e segurança política. Há países que estão nos dando um baile de produtividade sem nada disso. E o Paraguai, uma China do nosso lado. Empresas que buscam custos reduzidos num país palpérrimo que melhor pouco do que nada. Ja trabalhei em empresas que possuem unidades lá. Por outro lado o nosso, com sindicatos arcaicos e trabalhadores inabilitados em diversas áreas.

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: